Os Lusíadas: poema dos descobrimentos

Natasha Furlan Felizi

Resumo


O artigo propõe uma leitura d’Os Lusíadas como viagem de descobrimen­to no sentido proposto por Sophia de Mello Breyner Andresen em 1980, o da aletheia ou revelação. Com apoio nas reflexões de Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena sobre Luís de Camões e do pensamento de Martin Heidegger sobre a aletheia no livro Parmênides, procurar-se-á fazer apontamentos sobre outros modos de ler Os Lusíadas como poema da “viagem de descobrimento”.

---

DOI: http://dx.doi.org/10.21881/abriluff.2016n16a314


Palavras-chave


Os Lusíadas; descobrimento; aletheia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN: 1984-2090 (online)


Indexado em:

Periódicos UFF

Latindex Periódicos CapesDiadorimSumarios.org EZBABECLivreSHERPA-RoMEO MLADialnet


Licença Creative Commons
A Revista Abril utiliza uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).